0

Versa diz que conta de luz pode ficar impagável após privatização da Eletrobras

mercados

Versa diz que conta de luz pode ficar impagável após privatização da Eletrobras

No site da gestora, o sócio Marcelo Gonçalves disse que o preço da conta de luz pode aumentar “de forma desnecessária” com a desestatização

Versa diz que conta de luz pode ficar impagável após privatização da Eletrobras
corleta

Atualizado há cerca de 1 mês

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 27 de maio – A lei por trás da privatização da Eletrobras pode tornar a conta de luz impagável para o consumidor e para a indústria, levando em conta também medidas sobre o setor sendo consideradas no Congresso e no Ministério de Minas e Energia, de acordo com a gestora Versa.

No site da gestora, o sócio Marcelo Gonçalves afirmou que a lei de privatização da Eletrobras se trata de um “des-planejamento energético” que pode aumentar “de forma desnecessária” o custo de energia no Brasil.

Usando cálculos de Empresa de Pesquisa Energética, Gonçalves sugere que a lei deve levar a um sistema energético 158% mais poluente e com um custo de operação e implementação total de R$50 bilhões a mais “do que no cenário livre, a preços de hoje”, em que custo “deverá ser rateado por todo o sistema e vai acarretar num aumento na conta de luz para consumidores residenciais e industriais”.

Os comentários refletem o dissenso entre alguns investidores sobre os benefícios econômicos da privatização da Eletrobras, processo que deve acontecer em 9 de junho por meio de uma oferta de ações. Argumentos contra o processo incluem as contratações obrigatórias de térmicas que poderiam elevar a conta de luz, a potencial piora do quadro de sobreoferta de energia em alguns momentos e até a estruturação do negócio.

A privatização da Eletrobras deu aval para a contratação de 8 gigawatts de energia térmica a gás natural durante todo o período de atividade das usinas, e não somente diante de necessidades pontuais do sistema – como é o usual. Uma emenda ao projeto de Lei da Modernização do Setor Elétrico, que tramita na Câmara dos Deputados, alocaria R$100 bilhões na construção de novas usinas térmicas.

A viabilidade econômica dessas novas usinas dependeria de uma mudança no índice de atualização dos preços máximos de energia térmica. Uma atualização poderia levar esse número a até R$650,00 por megawatt hora da energia, disse. Hoje o teto é de R$285,00.

Para ele, porém, mais usinas térmicas resultarão em sobras de energia no sistema elétrico, o que diminuiria a atratividade de projetos de energia limpa, como eólica e solar – fontes de energia renovável que poderiam custar entre R$100,00/MWh e R$200,00/MWh ao sistema elétrico.

Os riscos crescentes de controle estatal das tarifas de energia também foram pontuados, se o consumidor for obrigado a “pagar por um sistema mais poluente e ineficiente”, segundo Gonçalves.

Com todos esses fatores no cenário, Gonçalves afirmou que a Versa manteve exposição em ações no setor, principalmente em empresas de distribuição de energia, como Neoenergia e Energisa, que repassam aumentos de custos de energia ao consumidor. A estratégia principal da Versa teve uma perda de 6% em abril, ante queda de 10,1% no Ibovespa.

Texto: Felipe Corleta
Edição: Gabriela Guedes e Guillermo Parra-Bernal
Arte: Vinícius Martins/ Mover

Nesta matéria

ELET3

CENTRAIS ELET BRAS S.A. -...

45,84

-0,35

-0,75%

Relacionadas

ELET6

CENTRAIS ELET BRAS S.A. -...

46,50

-0,20

-0,42%

Powered by

Análise de Investimentos

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.