0

Ibovespa sobe com otimismo por reabertura na China

mercados

Ibovespa sobe com otimismo por reabertura na China

Ibovespa é impulsionado pelo apetite por risco no exterior, em meio à reabertura gradual do comércio na China com a queda de casos de Covid

Ibovespa sobe com otimismo por reabertura na China
gabriel-brondi

Atualizado há cerca de 2 meses

Ícone de compartilhamento

ão Paulo, 17 de maio – O Ibovespa ensaia sua quinta alta consecutiva nesta terça-feira, impulsionado pelo maior apetite por risco no mercado externo, em meio às expectativas positivas com a reabertura gradual do comércio na China. O índice, contudo, arrefeceu a alta vista na abertura, pressionado pelos papéis de Vale e Petrobras.

Por volta das 15h, o Ibovespa subia 0,50%, aos 108.774 pontos, enquanto o dólar futuro registrava forte queda de 2,36%, voltando a ser negociado abaixo dos R$5. Já a curva de juros caía em quase toda sua extensão até 6,5 pontos-base. Apenas o contrato vincendo em 2028 avançava.

As commodities energéticas, minerais e metálicas mostravam força no início da sessão, em meio à reabertura gradual do comércio na China e à expectativa de que a segunda maior economia do mundo eleve os gastos com infraestrutura em breve. Porém, neste início de tarde, os futuros do petróleo Brent realizavam um movimento de correção, em queda de 0,33%, sendo cotado a US$113,86 o barril.

Além do otimismo com a reabertura na China, o principal índice da bolsa brasileira também é impulsionado pela desaceleração da inflação em maio. De acordo com a Fundação Getúlio Vargas, o IGP-10, índice que mede a variação de preços entre os dias 11 do mês anterior e 10 do atual, registrou alta de 0,10% em maio, abaixo da projeção de 0,33% e bem menor do que os 2,48% anotados em abril.

Sobe e desce do Ibovespa

Na visão por pontos, as preferenciais do Bradesco (BBDC4) e as ordinárias do Banco do Brasil (BBAS3) davam o maior suporte para o Ibovespa, subindo 1,48% e 2,43%, respectivamente.

Na ponta oposta estavam as ordinárias da Magazine Luiza (MGLU15), que despencavam 9,44% após a companhia reportar prejuízo líquido maior que o esperado no primeiro trimestre, de R$161,3 milhões, diante do aumento de 19,4% nas despesas, que anularam as maiores vendas nos canais digitais e recuperação nas lojas físicas.

O Ibovespa também é pressionado pela queda histórica de mais de 16% das ordinárias da Hapvida (HAPV3), com o mercado reagindo negativamente ao balanço da operadora de planos de saúde, que reportou prejuízo líquido de R$182 milhões no primeiro trimestre, revertendo lucro na base anual. Segundo a Hapvida, a sinistralidade ficou em 72,9%, ainda impactada por efeitos da Covid-19.

Vale (VALE3) e Petrobras (PETR4) também oferecem resistência ao índice, caindo 1% e 0,95%, respectivamente, após abrirem o mercado em alta.

Texto: Gabriel Brondi
Edição: Allan Ravagnani e Stéfanie Rigamonti
Imagem: Vinicius Martins / Mover

Nesta matéria

BBDC4

BCO BRADESCO S.A.

17,33

0,13

+0,75%

Relacionadas

PETR4

PETROLEO BRASILEIRO S.A. ...

28,59

0,60

+2,14%

MGLU3

MAGAZINE LUIZA S.A.

2,21

-0,14

-5,98%

BBAS3

BCO BRASIL S.A.

33,15

-0,23

-0,68%

VALE3

VALE S.A.

75,15

-1,46

-1,90%

Powered by

Análise de Investimentos

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.