0

Dados fracos nos EUA derrubam mercado, que espera por Previdência 

mercados

Dados fracos nos EUA derrubam mercado, que espera por Previdência 

Dados fracos nos EUA derrubam mercado, que espera por Previdência 
tcuser

Atualizado há mais de 3 anos

Ícone de compartilhamento

A bolsa cai e o dólar sobe diante de indicadores fracos da economia americana que deterioravam o humor externo, enquanto o investidor local aguarda o aval do presidente Jair Bolsonaro para a proposta de reforma da Previdência, que pode ser enviada ao Congresso na semana que vem.

 

As vendas do varejo nos Estados Unidos caíram 1,2% em dezembro, maior queda mensal desde setembro de 2009, ante expectativa de alta de 0,1%. No mesmo sentido, os pedidos de seguro-desemprego do país da semana passada aumentaram acima do previsto. O desânimo com a economia deixa em segundo plano o otimismo com o progresso nas negociações comerciais entre Washington e Pequim nesta semana. Mais cedo, animava a notícia de que o presidente Donald Trump poderia estender em até 60 dias o prazo final para a imposição de sobretaxas a US$200 bilhões em importações chinesas.

 

Por volta de 12h30, o índice Bovespa caía 0,61% a 95.253 pontos, tendo chegado a 94.915 pontos na mínima do dia. As ações de Vale, Bradesco e Itaú pesavam na bolsa, enquanto Banco do Brasil sustentava alta de 0,8% após apresentar salto anual de 20,6% no lucro do quarto trimestre. Petrobras subia, na esteira do avanço do petróleo Brent.

 

Também em destaque na ponta positiva, as ações da EDP Brasil exibiam elevação de 2,5%, com a notícia do diário português Sapo de que o Fundo Elliot enviou carta à controladora EDP Portugal sugerindo a venda de ativos no Brasil. Em paralelo, os papéis da Kroton ganhavam 1% após o Itaú BBA elevar a recomendação para outperform, equivalente a compra.

 

No mercado de câmbio, o dólar futuro ganhava 0,51% a R$3,777 após ter atingido o maior patamar em três semanas na máxima do dia, a R$3,799. A subida da moeda contribuía para o leve ajuste para cima nos juros futuros, com o contrato para janeiro 2020 subindo 1 ponto-base para 6,425%.

 

O mercado brasileiro monitora as notícias em Brasília, com a expectativa de que o presidente Bolsonaro deverá “bater o martelo” sobre o texto final da reforma da Previdência nesta tarde. Mas a possibilidade de queda de um ministro após declarações desencontradas entre o secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebbiano, e o filho do presidente, Carlos Bolsonaro, dava espaço para volatilidade, com receio sobre a necessária construção política em prol da agenda de reformas no Congresso.

 

(Foto: Nova Iorque/Divulgação)

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.