0

Conflito na Ucrânia: EUA banem petróleo da Rússia, diz Biden

internacional

Conflito na Ucrânia: EUA banem petróleo da Rússia, diz Biden

Biden disse compreender que os países aliados dos EUA podem não se juntar ao país no banimento das importações do petróleo da Rússia

Conflito na Ucrânia: EUA banem petróleo da Rússia, diz Biden
gabriel-pontes

Atualizado há 4 meses

Ícone de compartilhamento

Brasília, 8 de março – O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, confirmou nesta terça-feira o banimento das importações de petróleo, gás natural e energia da Rússia pelos americanos, principais commodities do país de Vladimir Putin.

“Os EUA deixaram claro que não serão parte do subsídio à guerra de Putin. Tomamos essa decisão em consulta próxima com nossos aliados, parceiros ao redor do mundo, particularmente na Europa”, disse, também estendendo os comentários aos democratas e republicanos.

Disse, por outro lado, compreender que os países aliados dos EUA podem não se juntar ao país na decisão de banir essas importações. Na sequência, afirmou que os EUA e aliados continuam unidos no propósito de pressionar Putin.

Citou, por exemplo, que a economia russa tem “desmoronado” com as sanções até então impostas. Mencionou a forte deterioração do rublo russo, bem como a exclusão dos maiores bancos russos do sistema financeiro internacional.

“Grandes companhias estão se retirando da Rússia”, complementou, citando a suspensão de atividades de empresas de cartões de crédito, como Visa e Mastercard, recentemente.

Porém, Biden reconheceu que o banimento anunciado nesta terça pelos EUA implicará em custos aos norte-americanos, fazendo os preços da gasolina se elevar.

Segundo a Agência Internacional de Energia, menos de 5% de toda demanda americana depende da Rússia, mas o conflito no leste europeu já levou o galão de gasolina para patamar recorde de US$4,17, segundo a Associação Automobilística dos EUA.

Biden alertou, no entanto, que a guerra na Ucrânia não é desculpa para empresas de petróleo ampliarem seus lucros. Ainda segundo ele, a crise atual justifica a necessidade de se alcançar a independência energética.

“Isso deve nos motivar a acelerar a transição para uma energia mais limpa”, explicou, defendendo menores custos de energia.

A medida anunciada pelo governo norte-americano hoje é acompanhada, em parte, pelo Reino Unido, que anunciou mais cedo a proibição da importação de petróleo da Rússia, mas de forma gradual. Os britânicos também continuarão permitindo a comercialização do gás natural e carvão russo no país.

Reação do mercado

Logo após o anúncio, os mercados acionários no Brasil e nos EUA azedavam. Mas perto das 15h05, tanto Dow Jones quanto S&P500 subiam 1,65%, enquanto o Nasdaq 100 avançava 2,46%. O Ibovespa operava em alta de 0,52%, recuperando o patamar de 112 mil pontos.

No mercado futuro, o barril de petróleo brent era negociado a US$126,62, alta de 2,77%, mas o gás natural recuava 6,23%, a US$4.532.

Texto: Gabriel Pontes
Edição: Guilherme Dogo e Letícia Matsuura
Imagem: Vinícius Martins / Mover

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.