0

Mansano e Vieira: Com desorganização da pandemia, pode ser a hora de reformar os marcos fiscais

colunas

Mansano e Vieira: Com desorganização da pandemia, pode ser a hora de reformar os marcos fiscais

A questão que fica é: quantas outras mudanças a regra fiscal passará e quanto isso refletirá em uma comunicação falha e saídas improvisadas?

Mansano e Vieira: Com desorganização da pandemia, pode ser a hora de reformar os marcos fiscais
tcuser

Atualizado há 8 meses

Ícone de compartilhamento

A iniciativa do governo de antecipar a revisão do Teto de Gastos, por meio da chamada PEC dos Precatórios, recoloca na ordem do dia se é melhor o mercado seguir pressionando pela rigidez original do Novo Regime Fiscal ou negociar os termos de sua adaptação à ordem pós-pandemia.

Apesar de a mudança no indexador do Teto ter potencial para liberar cerca de R$101,3 bilhões no Orçamento de 2022, de acordo com cálculos do TC Matrix, fica nítido um impasse para conciliar a regra com o pagamento dos precatórios, um novo programa social e apelos por emendas parlamentares.

O impasse persiste e está na raiz das dificuldades governistas para alcançar maioria, de 308 votos, para aprovar a PEC no plenário da Câmara dos Deputados. A questão que se coloca diz respeito a quantas outras mudanças a regra precisará passar e o quanto isso se refletirá em uma comunicação falha e saídas improvisadas, levando incertezas e desvalorização de ativos da bolsa local.

O Teto de Gastos, porém, não é o único marco em xeque com o parecer do deputado Hugo Motta, que contorna também a regra de ouro, permitindo ao governo emitir títulos públicos suplementares para cobrir despesas correntes sem a prévia aprovação do Congresso, da qual o Poder Executivo tem dependido, desde 2019, para fechar as contas.

Teto de Gastos e Auxílio Brasil

A solução via PEC dos Precatórios pode fazer o governo prescindir da reforma do Imposto de Renda para custear o Auxílio Brasil, mas uma alteração no projeto de Diretrizes Orçamentárias de 2021, que liberou o uso de “propostas legislativas em tramitação” como fonte de compensação, também foi criticada por violar a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Ou seja, apesar da resistência liberal do time do ministro da Economia, Paulo Guedes, quanto à integridade das regras fiscais – e mesmo que as mudanças anunciadas não se concretizem plenamente – o foco do governo já mudou para garantir recursos nas mãos da população de baixa renda e o arcabouço fiscal do país já foi desorganizado pela pandemia. Todavia, é sobre os efeitos desta que se erguerão as condições para a retomada econômica.

Achamos que o cenário eleitoral, combinado com expectativas de baixo crescimento, aumento da fome e da pobreza e inflação de dois dígitos, continuará a favorecer maior ação estatal na economia. Por isso, talvez seja o momento de se discutir uma ampla reforma fiscal para o novo período que começará em 2023, independentemente do vencedor.

Quando a agenda de mais gastos desponta como prioridade dos atuais líderes nas pesquisas para 2022, é provável que, em 2023, esteja em disputa apenas o tamanho de um novo ajuste fiscal, a ser feito com maior ou menor previsibilidade.

Coluna: Fernanda Mansano e Leopoldo Vieira
Arte: Vinícius Martins / Mover


DISCLAIMER: As informações disponibilizadas na coluna são meramente opiniões dos COLUNISTAS na data em que foram expressas e não declarações de fatos ou recomendações para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários, ou ainda, qualquer recomendação de investimento.

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.