0

Eleições de 2022 podem transformar eleitores em investidores: coluna

colunas

Eleições de 2022 podem transformar eleitores em investidores: coluna

As eleições de 2022 embutem grande potencial de aumentar a atração das pessoas para a bolsa, em linha com a popularização do mercado

Eleições de 2022 podem transformar eleitores em investidores: coluna
tcuser

Atualizado há 8 meses

Ícone de compartilhamento

As eleições presidenciais de 2022 representarão oportunidades para o investidor, sobretudo o pessoa física, para além da observação das candidaturas pelo risco político e fiscal, ou por visões ideológicas que agradam analistas de mercado.

Considerada por especialistas e políticos como uma das disputas mais quentes da História, a sucessão presidencial embute grande potencial de aumentar a atração das pessoas para a bolsa, em linha com a popularização do mercado de capitais nos últimos anos.

Isso pode favorecer diretamente empresas que trabalham com corretagem e inteligência de mercado para investimentos – já durante a mobilização eleitoral – assim como aquelas companhias que buscam financiamento na bolsa e no mercado para crescer.

Analistas com quem conversamos sugerem que, se o eleitorado se enxergar na bolsa por meio das oportunidades que seus candidatos preferidos favorecem, o público investidor poderá se ampliar, principalmente em cenário de recuperação da renda e aquecimento do consumo, quando há margem para se decidir investir.

Perfil investidor do eleitorado

Uma pesquisa divulgada pelo Valor Investe mostra que o cenário é promissor para atrair o investidor pessoa física, pois o eleitorado em geral ainda investe pouco, ao mesmo tempo em que estudos revelam que assuntos econômicos, como empregos e inflação, são vistos como prioridades pela população.

Segundo o levantamento, metade ou 50% dos eleitores do governador paulista, João Doria, investem em alguma aplicação; seguidos por 45% dos eleitores do ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta; por 41% dos eleitores do ex-governador do Ceará, Ciro Gomes; por 36% dos eleitores do ex-juiz da Lava Jato, Sergio Moro; por 33% dos eleitores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva; e, por último, por 29% dos eleitores do presidente Jair Bolsonaro.

O quadro mostra que o eleitorado de Lula é o mais conservador em seus investimentos, chegando a deixar 34% do que economizaram na pandemia na conta.

Talvez isso ocorra por desconhecimento do funcionamento do mercado e da B3 e pelas rusgas acumuladas recentemente entre o mercado e as ideias defendidas pelo PT.

Outra razão é que as pautas defendidas pelo ex-presidente geralmente são tomadas como o chamado “risco Lula”, conforme queixa de aliados do petista, que apontam o termo para se referir a ele desde 1979, quando ainda era líder sindical, e apesar de seus governos, que aplicaram, nas condições da época, o chamado tripé macroeconômico ortodoxo – superávit primário, câmbio flutuante e meta de inflação.

os eleitores de Bolsonaro, embora invistam pouco, têm preferência pelo retorno, mas deixam iguais 29% na conta com o dinheiro economizado na pandemia. Os apoiadores do presidente são os que mais confiam que os objetivos financeiros serão atingidos, marcando 95%.

Caminhos e abordagens

Para o sócio e diretor comercial da EWZ Capital, Henrique Castiglione, em entrevista à TC Rádio, o cenário eleitoral exige diversificação da carteira e foco nos setores da economia que vão se beneficiar independentemente do presidente eleito, citando agronegócio e infraestrutura – ambos bem-sucedidos nos governos Lula e Bolsonaro, de inspiração econômica distintas.

Já para o sócio na Acqua Vero Investimentos, Bruno Musa, também à TC Rádio, a imprevisibilidade no cenário político e fiscal deixa o investidor ressabiado – o que pode melhorar se a antecipação da definição das candidaturas vier acompanhada de cristalização das intenções de voto, propostas claras e, por conseguinte, previsibilidade.

Uma forma de surfar neste processo é demonstrar ao eleitorado as oportunidades, por exemplo, nas taxas atreladas à inflação, companhias que podem se beneficiar com mais gastos públicos, ou setores impactados positiva ou negativamente com privatizações, marcos regulatórios e benefícios sociais.

Estar atento às promessas que os postulantes ao Palácio do Planalto, quando procurados, fazem a empresários não é menos relevante.

O levantamento foi publicado em 30 de novembro e realizado pela fintech Onze, voltada à saúde financeira e previdência privada, que apontou o perfil de investidor dos eleitores brasileiros. O estudo ouviu 5,4 mil pessoas de diferentes etnias, idades, gêneros e regiões do Brasil.

Coluna: Leopoldo Vieira e Simone Kafruni
Arte: Vinícius Martins / Mover


DISCLAIMER: As informações disponibilizadas na coluna são meramente opiniões dos COLUNISTAS na data em que foram expressas e não declarações de fatos ou recomendações para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários, ou ainda, qualquer recomendação de investimento.

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.