Risco-país: saiba o que é e como impacta os seus investimentos

Risco-país: saiba o que é e como impacta os seus investimentos

mateus-de-alencar

20 MAI

5 MIN

Risco-país: saiba o que é e como impacta os seus investimentos

Olá, investidor! Em momentos de estresse político-econômico as manchetes são tomadas por frases como “Risco-país dispara em busca de nova máxima”. No mais recente episódio em que ele tomou a cena – em meados de fevereiro de 2022 – deu conta da disparada do risco-país na Rússia, devido às sanções impostas por causa da invasão à Ucrânia.

Mas você sabe o que isso significa e como impacta os seus investimentos? É o que esse artigo espera elucidar.

  • O que é risco-país?
  • Como isso impacta os seus investimentos?
  • Como funciona na prática?
  • Quais são as companhias mais sensíveis ao risco-país?
  • Como se proteger do risco-país?
  • Considerações finais

O que é risco-país?

Antes de entender o que é o risco-país, precisamos voltar ao básico: o que é risco?

Como bem definido por Howard Marks, fundador da Oaktree Capital, em seu livro “O mais importante para o investidor”, o risco nada mais é do que a possibilidade de acontecer mais coisas do que acontecerão. Por corolário, a perda é o resultado do encontro do risco com a adversidade.

Entendendo o que é risco, podemos partir para a compreensão do risco-país.

Em uma economia globalizada, o capital flui entre nações, inclusive para fomento da dívida pública destas. Um país pode captar recursos para investimento em infraestrutura, bancar programas sociais ou até mesmo para socorro emergencial da economia – como ocorreu durante a pandemia do COVID-19.

Assim, o risco-país deve ser entendido como a mensuração da possibilidade de um país não honrar com suas obrigações.

Como isso impacta os seus investimentos?

Por base, a teoria financeira pressupõe que em toda economia há uma taxa livre de risco, ou seja, a remuneração mínima de capital em um cenário de ausência de risco. Comumente, os títulos públicos do país em questão representam essa taxa livre de risco.

Ademais, a teoria financeira também classifica que o risco de cada mercado deve ser compreendido como a taxa livre de risco acrescida ao prêmio de risco por investir naquele mercado.

Por exemplo, no mercado de ações você espera capturar o retorno livre de risco da econômica mais o prêmio de risco do mercado de ações.

Isso é facilmente aceito em uma economia forte, como a economia americana. O problema surge ao fazer essa análise em países emergentes como o Brasil. Até mesmo os títulos públicos brasileiro têm risco: o risco de default, ou seja, risco de não-pagamento.

Desse modo, o risco-país se apresenta como uma referência da taxa que representa o risco de default daquela economia.

Como funciona na prática?

Para eliminar o risco de default, daquele país em questão, existem alguns contratos derivativos que funcionam como um seguro contra o risco-país, entre eles o Credit Default Swap (CDS).

O CDS nada mais é do que um contrato que permite a troca entre o risco de crédito daquela economia e uma taxa pré-fixada.

Por isso, quando se ouve dizer que o risco-país está em 300,00 pontos-base, significa que essa taxa pré-fixada está em 3,00%. Ou seja, um investidor consegue proteger um capital investido em uma economia pagando esses 3,00%.

Quais são as companhias mais sensíveis ao risco-país?

Invariavelmente, quanto mais exposta a companhia for à economia doméstica, mais sensível ela será.

Para entender melhor, vamos pensar na tensão do teto de gastos ao final de 2021.

Durante a terceira semana de outubro de 2021 o assunto que tomava os jornais era a possibilidade do furo ao teto de gastos por parte do governo para bancar o novo Auxílio Brasil. A grande questão é: por que isso faria preço nos ativos financeiros?

Mais uma vez o risco-país entra em cena.

Um possível descontrole fiscal poderia levar as contas do governo à uma situação de aperto, a condição financeira poderia se deteriorar ao ponto de que o governo precisasse expandir a base monetária para fazer frente ao seu passivo, ou seja, injetar dinheiro na economia.

Essa expansão da base monetária, normalmente precede cenários de inflação elevada, e com expansão elevada, quem sofre? Isso mesmo, o consumo local.

Durante a semana do dia 18 de novembro até 22 de novembro, esses foram os principais papéis que perderam valor dentro do índice Ibovespa:

risco país empresas

Como se proteger do risco-país?

Além de contratos derivativos, como o CDS descrito acima, existem outras opções de hedge contra o risco-país, sendo alguma delas:

  • Diversificação geográfica: evite concentrar capital em uma única economia, assim você reduz o risco direcional da sua carteira para uma única economia;
  • Investimento em economias fortes: dentro do processo de diversificação geográfica, busque privilegiar economias fortes que tenham moedas como sinônimo de reserva de valor;
  • Ativos com exposição global: dá para imaginar, por exemplo, que empresas que têm presença em mais de um país estão menos expostas direcionalmente ao risco-país de uma única economia.

Considerações finais

Portanto, podemos afirmar que o risco-país é um “termômetro” que indica a possibilidade de não pagamento da dívida pública de um país. Como todos os mercados de uma economia utilizam como arrimo a capacidade de pagamento da nação, um aumento no risco-país pode desencadear efeito sobre todos os mercados.

Por isso, da próxima vez que você ouvir dizer que houve um aumento ou diminuição do risco-país, pense de imediato no impacto que isso causará no valor dos seus ativos.

Baixe nosso app grátis! No TC você acompanha as principais notícias e cotações do mercado em tempo real, além de ter acesso a canais exclusivos para interagir com os melhores profissionais.

Estude e conheça! Aprenda com quem realmente entende de investimentos. Tire dúvidas, troque ideias, experiências e construa uma grande rede de networking com investidores de todo Brasil.

A gente também está no Instagram, YouTube e no TikTok. Acompanhe!

Referências

MARKS, Howard. O mais importante para o investidor: Lições de um Gênio do Mercado Financeiro. 1ª edição. ed. [S. l.]: Edipro, 2020. 208 p. ISBN 6556600202.

NETO, Alexandre Assaf. Fundamentos de Administração Financeira. 2ª edição. ed. [S. l.]: Atlas, 2014. 392 p. ISBN 8522488002.

TEIXEIRA, Maria Emília. O Contrato de Swap: O Credit Default Swap e o Seguro de Crédito. 1ª edição. ed. [S. l.]: Almedina, 2017. 330 p. ISBN 9724070387.

Graduando em Ciências Contábeis | VP da Liga de Mercado Financeiro da UFRN

Análise Fundamentalista

E-BOOK

Análise Fundamentalista

Neste e-book, abordaremos de forma simplificada os principais pontos que você precisa saber para entender a Análise Fundamentalista nas suas decisões de investimento.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.